vialgarve                   
vialgarve                                António Ramos
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
Uma questão de prática …

No passado dia 17 de Julho, recebi uma noticia de Bruxelas, que me chamou a atenção. Intitulada “No coração da empresa” a nota informava que a Comissão Europeia com a intenção de conhecer melhor a realidade das suas empresas, antes de produzir legislação, iria colocar “..os 350 administradores da DG Empresas e Indústria da Comissão...” incluindo “...o Vice-Presidente Verheugen e o seu gabinete... a trabalhar em padarias, em carpintarias ou na reparação de oleodutos e gasodutos... durante uma semana.”

Podia ler-se então que “...este programa único foi concebido para aprofundar os conhecimentos sobre o ambiente em que funcionam as empresas, sobretudo as PME. «Enterprise Experience» irá ajudar os funcionários da Comissão a compreenderem melhor as necessidades das PME e a melhor apreciarem os problemas específicos com que se defrontam estas empresas. Contribuirá também para o objectivo da Comissão de melhorar a qualidade da legislação no contexto da iniciativa Legislar Melhor. Colocar os seus funcionários em empresas, no intuito de adquirirem experiência directa, no local, estarem à escuta e explicarem o funcionamento da UE, faz parte da intenção da Comissão de se aproximar dos cidadãos europeus.”

A notícia, deixou-me um misto de surpresas pela originalidade e alcance e de satisfação por verificar que na Comissão Europeia, alguém parece preocupar-se com a realidade do dia a dia de cada um dos seus cidadãos. Imediatamente, veio-me à memória a intervenção do Presidente da RTA, que dias antes, tinha num debate sobre a Estratégia de Lisboa e o QREN, sugerido ao Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, “...que no âmbito do tão propagado PRACE, se deslocalizasse a sede do ICN (com presidência incluída), para o Ameixial”.

A proposta, recebida com animo pela assistência, não tinha como objectivo castigar a população do Ameixial, mas visava sobretudo, fazer descer ao terreno, os que à distância vão produzindo Leis e restrições de uso sem a necessária aproximação à aplicação prática e ao quotidiano dos cidadãos.

Neste particular, e por experiência própria, o Algarve teria muito a ganhar com a generalização, em larga escala, da aplicação destas práticas a nível nacional e Europeu. De facto, para o bem e para o mal, o Algarve criou em quem nos visita e a quem de nós tem que formular uma opinião, imagens fortes, sempre incompletas e na maior parte das vezes gravemente distorcidas. São as temperaturas em pleno mês de Agosto, 5º abaixo do Porto e 6º abaixo de Lisboa, são as imagens recorrentes ora do desordenamento de Quarteira ou Praia da Rocha ora de excelência da Quinta do Lago em função dos argumentos que se querem ver defendidos. É a visão do decisor político, do investidor, do contribuinte, que desagua no Algarve no pico do mês de Agosto e nos julga como se vivêssemos numa megalópe de turismo massificado o ano inteiro.

Torna-se por isso “compreensível” (será?), que quando a partir do exterior da Região, se ordena o território, se procure proteger de todas as formas, a possibilidade de repetição dos erros (que nós também não queremos repetir), que quando se definem políticas urbanas, se esqueça muitas vezes o território acima da N125, que se proteja a utilização de territórios onde “aparentemente não vive ninguém”, ou que se proponha medidas de “banda larga” a pensar na realidade da área metropolitana de Lisboa, sem aplicação prática a boa parte do território regional.

O sinal concreto dado por Bruxelas, permite a esperança que numa óptica de responsabilização do Estado na relação com os seus cidadãos, se possa harmonizar as boas praticas de forma a que antes de se decidir, se conheça participadamente as realidades onde se actua.

Até lá, cabe à Região continuar a fazer um esforço para a divulgação das múltiplas e ricas potencialidades e realidades que o engenho e a arte vai mantendo vivas no Algarve.

António Ramos
Mestre em Geografia e Planeamento Regional
Jornal "Região-Sul" 02.08.2006

Jornal 'Região Sul'

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Pedro Gonçalves Miguel Antunes António Ramos Marco Rodrigues Alexandre Costa Outros