vialgarve                   
vialgarve                                Nuno Miguel Lopes Gaspar da Silva
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
PSD e CDU de VRSA recusam assinar as minutas das reuniões do Executivo porque as actas estão atrasadas 2/3 meses. Quer comentar?
(rúbrica "frente e verso")

O problema das actas das reuniões da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, se não fosse um problema sério e com consequências desagradáveis, até seria mote para um filme de comédia. Por entre várias peripécias caricatas, sobressai o facto da autarquia entender ter o direito de entregar tardiamente aos outros, leia-se oposição, as actas da reunião da câmara "às vezes não traduzindo o que foi dito e com lacunas", conforme reconheceu o autarca Mário Sousa, eleito pela CDU.

Parece que é moda. Mas se assim for, é uma moda estúpida. Jogar com as palavras, consciente que há-de haver alguém que faça à posteriori uma purificação das mesmas, é uma moda usada com o objectivo de encobrir os ditos menos felizes de alguns políticos.

Ainda há pouco tempo, numa reunião da Assembleia Municipal de Portimão, o presidente da Câmara, quando confrontado se havia utilizado uma expressão em determinada cerimónia pública, respondeu que, nessa altura, estaria a brincar e a ser irónico. Assim justificou o que proferiu. Provavelmente, se não fosse numa cerimónia pública, logo presenciada por dezenas de pessoas, por certo, alguém se encarregaria de apagar a tal frase ou mudar-lhe o sentido.

Quero deixar bem vincado que, nestes e noutros casos, não estão em causa os funcionários administrativos que transcrevem as palavras proferidas em qualquer reunião pública. Estão em causa algumas mentes perversas, julgando que podem dizer o que lhes convém e apagar posteriormente aquilo que soou muito mal.

Só para acabar o pequeno mas significativo episódio portimonense, nessa reunião, o presidente da Câmara, fez ainda pior, ou seja, recalcou o seu erro, dando a entender que misturou a ironia e a brincadeira com declarações sérias sobre o seu concelho.

A não ser que não saiba dizer nada sério, o que eu até desconfio, e aí o caso tem que ser interpretado de outra maneira, o seu comportamento foi e é condenável.

Voltando ao assunto principal, o problema das actas e minutas aqui colocado, resume-se a um diagnóstico, isto é, a falta de rigor.

Por todos sabermos que à mulher de César não basta parecer, tem que ser, a gestão de órgãos públicos, principalmente estes, não se coadunam com a dúvida ou falta de transparência. A autarquia tem que providenciar todos os meios para que qualquer autarca possa aceder à informação debatida em qualquer sessão política. Afirmar que não dispõe de meios, ou lançar para a praça pública argumentos com o objectivo de dramatizar este processo, quando só há um responsável pela situação em si, é jogar com o sentimento das pessoas, optando por uma política baixa e que não é recomendável. Colar a justa reivindicação da oposição, que data de Julho de 2002, à impossibilidade de aprovação de certo tipo de investimentos ou ao não pagamento a alguns fornecedores, é, para mim, um comportamento que roça a irresponsabilidade.

Os partidos que estão na oposição, até a situação estar devidamente regularizada, devem-se insurgir, tomando decisões que, embora tendo em conta o interesse dos munícipes, não deixem de ser avisos sérios e persuasivos.

Há políticos que, só porque estão no poder, gostam de tomar todos os outros por pouco inteligentes. São comportamentos condenáveis.

Alguém tem que lhes explicar que a democracia só existe quando sabemos conviver com a diferença de opiniões e, fundamentalmente, quando o nosso comportamento não merece qualquer tipo de reparos. Saber estar na causa pública com rigor, isenção e responsabilidade são qualidades que se exigem e das quais não devemos abdicar.

Nuno Silva
Técnico de Recursos Humanos
Jornal Barlavento 11.03.2004

Jornal Barlavento

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros