logo ALTERNATIVA por Ricardo Baptista

O Governo está a aproveitar paragem do POOC do Sotavento e do Protal para aprovar os empreendimentos?
(rúbrica "frente e verso")

Ao princípio senti receio. Como não sou especialista nesta matéria, achei que um conjunto de palavras mal aprofundadas pudessem ser contraproducentes. Depois de alguma reflexão, conversas com amigos e uma procura exaustiva do tema na Internet, deixei-me levar pela importância que o assunto merece. Quando se trata de abordar o ordenamento daquilo que nos habituámos a ver desordenado, vale sempre a pena uma intervenção nossa, por muito "arcaica" que esta possa parecer. Basta que estejamos cientes que a mesma, procurando ser um contributo para a defesa do nosso bem comum, é também, e desculpem-me a frase feita, uma preocupação com o futuro de todos nós.

Encaremos pois, a questão que é colocada. Não acredito que o Governo esteja a aprovar, sem critérios definidos e justificados, quaisquer tipo de empreendimentos. Seria um erro crasso se o fizesse, pois estaria ao arrepio das intenções já manifestadas publicamente.

Quero, por isso, aceitar que o comportamento do Governo, fazendo fé no espírito da questão colocada, procure ser a tentativa de resolver alguns assuntos pendentes, que estando dentro do quadro da legalidade e interesse público, não devem sofrer mais atrasos. Só assim, serão justificadas, algumas hipotéticas decisões do Governo nesta matéria.

Quando escrevo isto, afirmo-o com boa fé. Faço-o porque sei que qualquer governo, mais à esquerda, mais ao centro ou mais à direita, entende e procurará sempre, fazer qualquer coisa para preparar um conjunto de políticas e orientações que salvaguardem o que temos de melhor: o nosso território e tudo o que a ele diz respeito.

Não quero encontrar culpados aqui. Mas também não pretendo esconder, a frustração que sinto quando estou frente a frente com alguns aglomerados urbanos, autênticos vícios do passado e algo que nos envergonha a todos. Apesar de serem exemplos que poderão parecer longínquos e fruto de uma época de construção desenfreada, não devem ser esquecidos, porque os interesses estarão sempre presentes e as tentações residirão sempre na mente de muitos. Tudo isto tornará sempre difícil a discussão e implementação de qualquer Plano.

Na minha pesquisa, tive a oportunidade de confrontar as posições de algumas populações, dos empresários do turismo, associações ambientais, do próprio governo, da oposição, etc.

Escusado será dizer que ninguém se entende. É habitual. Por isso, é urgente que o POOC seja uma realidade, salvaguardando, dentro do possível, o resultado da discussão pública e os contributos apresentados pelas instituições, procurando ser um instrumento eficaz, coerente com a realidade que temos, rigoroso nos propósitos e na aplicação.

É importante que seja rapidamente aprovado e concretizado. Sei que muitos discordam deste procedimento tão rápido, preferindo eternizar a discussão, na ânsia de poderem fazer vingar o seu ponto de vista.

Justifico a minha ideia com o seguinte. Enquanto andarmos a discutir, a formular e a reformular, estamos a deixar espaço para que tudo fique na mesma. Isso, é precisamente a antítese do que todos exigem. Acho que, pelo menos, nisto, todos estaremos de acordo.

Nuno Silva
Técnico de Recursos Humanos
Jornal Barlavento 04.09.2003

 

Jornal Barlavento

Comentar este artigo           Imprimir Imprimir

Voltar à Página de Nuno Silva