vialgarve                   
vialgarve                                    João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
Um 25 de Abril para todos!

Aproxima-se a comemoração dos 30 anos do 25 de Abril de 1974. Trata-se de um momento importante para reflectirmos sobre o que vai bem e menos bem na nossa democracia e, acima de tudo, comemorarmos esse bem que não tem preço e que dá pelo nome de liberdade.

Sempre me questionei das razões pelas quais as esquerdas (partidária e sindical) sempre "açambarcaram" as comemorações deste dia, quando afinal de contas ele pertence a todos os democratas e partidos democráticos do nosso País. Apesar de o centro-direita e a direita terem habitualmente uma menor participação nestes eventos, considero que a esquerda sempre viu esta participação como uma intrusão num património seu, um certo meter o nariz num terreno que não lhe pertence.

Aliás, uma situação que persiste na nossa democracia é o facto de alguns dos partidos com assento na Assembleia da República continuarem a considerar outras forças políticas como não-democráticas. Tirando o PSD e o PS todos os restantes partidos consideram os da "outra banda" do espectro eleitoral como não-democráticos.

Por outro lado, é estranho que nos nossos dias ainda seja um elogio dizer que alguém é de esquerda e uma ofensa dizer que é de direita, como se não fossem ambas posições legítimas no xadrez da nossa democracia.

Penso que é altura de aceitarmos todas as diferenças que naturalmente existem e considerá-las normais em democracia. Sem demais qualificações.

Penso que neste aniversário da revolução dos cravos poderemos ver todos os partidos com representação parlamentar a comemorarem o 25 de Abril, o viver em liberdade.

Dos 3 D's do Programa do MFA (Democratizar, Desenvolver, Descolonizar), o terceiro já se deu, o primeiro está alcançado, mas convém ir sempre alimentando e o segundo está a ser conseguido, sendo hoje o nível de desenvolvimento do País muito superior do que o de há 30 anos.

Considero, no entanto, que a forte carga revolucionária da altura já deveria ter sido mais suavizada, enquadrada nos dias de hoje, o que não acontece por parte de alguns sectores mais esquerdistas que, em cada 25 de Abril, nos tentam transportar para 1974, disparando contra o patronato, vociferando contra os Governos, exigindo tudo e mais alguma coisa aos Governos, entre outros.

Passados 30 anos sobre o 25 de Abril de 1974, está na altura desta data ganhar uma nova dimensão, menos voltada para o passado e mais apostada no nosso futuro partilhado. A participação cívica, a qualidade da nossa democracia, o desafio da qualificação dos Portugueses, o acesso da população aos serviços mais básicos (educação, saúde, água potável, saneamento básico, cultura), a integração dos imigrantes, causas e soluções para a pobreza serão certamente temas muito mais actuais e que enriquecem mais a nossa sociedade.

Está na altura de todas as forças partidárias comemorarem o 25 de Abril de forma igual, sem atitudes de posse exclusiva de um património que pertence a todos os Portugueses.

Cada um de sua forma, respeitando os outros, poderemos fazer de cada 25 de Abril um paradigma de cidadania activa, festejando a liberdade e debatendo as grandes questões que se nos colocam.

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Jornal do Algarve 15.04.2004

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros