vialgarve                   
vialgarve                                    João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
O Ano que ainda agora começou…

Pensamento positivo é o que se pede! Quem encara a vida de forma positiva mais facilmente alcança resultados positivos e consegue levar os que o rodeiam a também consegui-los. A própria economia vive muito de expectativas, de perspectivas de evolução do mercado, enfim, da percepção do futuro. E quando o pensamento é positivo, apesar de todas as dificuldades existentes, as coisas correm melhor. Sempre.

Com o discurso inicial do Governo o pensamento positivo foi-se. Era altura de alertar para o estado do país, de chamar a atenção dos Portugueses, também eles altamente endividados e a viver acima das possibilidades, para a necessidade imperativa de mudar de vida.

A situação actual também não é tão negra como alguns querem pintar. Os primeiros indicadores de confiança na economia começam a ser consistentes. O próprio desemprego registado no Algarve nos últimos onze anos, apenas em quatro foi mais baixo do que no actual. E mais importante ainda, já se deu a inflexão do ciclo em muitos indicadores, o que é sempre de extrema importância em termos de expectativas.

Por isto tudo, está na altura do pensamento positivo. O copo está meio cheio, não meio vazio.

Dizia-me um amigo meu que seria interessante se os jornais e os telejornais experimentassem durante algum tempo dar ênfase às boas notícias, em vez da habitual primazia às más. Garantidamente a auto-estima nacional aumentaria substancialmente e estimularia a própria economia nacional.

Os próprios sindicatos deveriam optar pelo pensamento positivo, encarando cada dificuldade como um obstáculo a vencer, um desafio a ser ganho, em vez do discurso negativo, apontando sempre as baterias e todos os males existente à política do Governo.

A própria oposição dever-se-ia tentar fazer notar pela positiva. Apresentando propostas alternativas. Apontando o que está mal de forma construtiva, mas também indicando que se faz bem. Para falar mal de tudo e de todos, apontando aspectos negativos em tudo o que é positivo, já temos o Miguel Sousa Tavares na TVI!

O próprio cidadão anónimo deve tentar ser positivo. Se está desempregado de forma voluntária porque não tentar criar o seu próprio emprego, em vez de cruzar os braços à espera que alguém o convoque?

Todos temos que pensar que o Governo e o Estado não conseguem resolver todos os problemas. As autarquias e a Administração Pública desconcentrada têm recursos limitados e têm que ser geridos com parcimónia. Os cidadãos, empresas e outras entidades têm que pensar primeiro se podem resolver os seus problemas e só depois recorrer ao Estado.

Por exemplo, o financiamento das Universidades públicas por parte do Estado, que não cobre a despesa total, vai obrigá-las a abrir ao exterior, a saírem do seu casulo e a oferecerem serviços ao meio empresarial para arrecadarem receitas. Este esforço é meritório, pois coloca ao serviço da comunidade o avultado investimento que o Estado faz no ensino superior e cria espírito empresarial nas universidades.

Teremos um 2004 melhor do que foi 2003, mas as necessidades de rigor e exigência continuarão. Continuará a haver desemprego e problemas diversos. Mas se os encararmos de uma forma positiva, procurando alternativas e vendo neles desafios a vencer, será certamente um ano muito melhor.

Que seja um FANTÁSTICO 2004 para todos nós!

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Jornal do Algarve 08.01.2004

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros