vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
Democracia Selectiva

Não sou de extremos, nem à esquerda, nem à direita.
Sou pela Democracia, entendendo esta como um "jogo" honesto, com regras definidas à partida e aceites por todos.
Não sou pela demoniazação de actores políticos, nem pela mediatização direccionada e premeditada.
Sou pela igualdade entre os votos, independentemente do sítio onde têm uma cruz assinalada.

Todo este preâmbulo serve só para tentar desmistificar o que se passa em França com o Sr. Le Pen e o que sucedeu há não muito tempo com o Austríaco Sr. Haider.
O Sr. Le Pen foi autorizado a participar nas eleições presidenciais Francesas, pelo que se supõe que reunia todas as condições legais para ser Presidente de França.
O Sr. Le Pen teve os votos dos cidadãos e cidadãs que decidiram livremente votar nele. Não consta que tenha existido fraude.
O Sr. Le Pen obteve os votos que lhe permitiram passar à 2ª volta das eleições presidenciais.

As manifestações dentro da legalidade são, em princípio, absolutamente legítimas. O que me choca é o facto de serem contra um resultado eleitoral de um candidato, estando ambos, resultados e candidato, dentro da lei. São cidadãos a reagir contra o que a França não quis e a recriminar os que não são iguais a eles, como se pudessem alterar o que está feito. E são manifestações contra uma pessoa e o que ela, possivelmente, encarna: aprecio mais eventos a favor de algo, em que se luta pelo que quer. Mas isto deverá ser só uma questão de feitio…

O Sr. Chirac também não quis debater a dois. Com uma esmagadora vitória garantida por sondagens, para quê debater com alguém que é vaiado diariamente por milhares de compatriotas e dado como previsivelmente esmagado eleitoralmente? É outro tique que dispenso. Este meu feitio…

E agora a pergunta fatal: e se o Sr. Le Pen ganhar as eleições? Já ouvi falar em revolução!!!! O baluarte da democracia Europeia liderada por um fascista! Que cenário pavoroso! Que vergonha para a grande França! Se o cenário "vergonhoso" acontecer é porque a maioria dos eleitores Franceses, certamente apelidados de fascistas por alguns, estarão descontentes com a situação actual e considerarão esta a melhor proposta para o seu futuro e o do seu País. E quem lhes pode negar esse direito?

Todos os países democráticos têm leis que não podem ser alteradas por "dá lá aquela palha". O Sr. Le Pen, chegado ao poder, não terá certamente poderes absolutos para tudo alterar e radicalizar. Outras instituições e outras forças poderão servir de contra-poder e suavizar a maioria dos extremismos pretensamente preconizados por ele. Até que em novas eleições os donos dos votos acreditem noutros projectos, certamente vindos de pessoas/partidos mais coloridos (e menos cinzentos…) e com projectos de sociedade mais mobilizadores.

Porque numa democracia considerar-se que só uns podem ganhar, e é este o espírito por trás de tudo isto, faz-me lembrar outra coisa que também rima com democracia, mas cheira bastante mal e muitos a fazem permanentemente…

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 06.05.2002

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros