vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
As Nossas Ilhas ...

Nas últimas eleições legislativas todo o país soube que a ilha da Culatra (Concelho de Faro) não tinha ido a votos. Razão: o actual presidente da edilidade - Dr. José Vitorino - não tinha ainda cumprido uma promessa do anterior presidente, no que concerne à rede de esgotos e ao abastecimento de água potável para a referida ilha. As reivindicações abrangem ainda a legalização do núcleo habitacional da Culatra, onde vivem cerca de mil pessoas, a aquisição de uma embarcação-ambulância e a construção de um pequeno ancoradouro para os barcos de pesca. Consta que não há verbas suficientes e que o Ministro do Ambiente se tinha prontificado a pagá-las e que agora não atende... Adiante!

O já citado Ministro prometeu que no corrente ano seriam demolidas mais de mil barracas das ilhas-barreiras (Farol, Armona e Culatra).

A Ilha de Faro é considerada um péssimo exemplo do ponto de vista ambiental e a qualquer momento poder-se-á dar uma catástrofe.

A primeira questão que se coloca é a da aparente contradição entre o que os habitantes da Culatra pretendem e o que quer o Sr. Ministro: uns legalizar o núcleo habitacional, o outro demolir barracas. Estaremos a falar do mesmo?!!!

Mas, a grande interrogação é sobre o futuro de todas estas pequenas ilhas, que importa preservar e deixar para as próximas gerações. Neste tipo de situações, defendo a primazia das razões técnicas sobre todas as outras, quer sejam legais, políticas, afectivas ou outras.

O que importa conhecer são os limites de cada ilha. Se devem ter casas de tijolo ou habitações de madeira. É aconselhável instalar uma rede de esgotos e o abastecimento de água potável? Será viável deixar que os filhos e os netos dos actuais habitantes construam mais habitações nestas ilhas? Até quando? Há um número limite? E situações irreversíveis, quantas há? E o que pode ainda ser recuperado? E os "mamarrachos" da Praia de Faro, não são um perigo ao futuro desta ilha?

E são estes dados "técnicos" que deverão fazer reflectir o poder político e não quaisquer manifestações, por mais legítimas e genuínas que sejam.

Um estudo aprofundado sobre as nossas ilhas, realizado por técnicos competentes e entidades idóneas, torna-se crucial para se poder decidir o futuro, e já agora, o mais brevemente possível para que se possam ir construindo alternativas. Se o estudo já existe, ainda não chegou à opinião pública, e já se faz tarde!

E pronto venha de lá o tal estudo, reflictamos sobre ele de forma séria e responsável e que a decisão seja sábia e com vistas largas!

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 02.04.2002

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros