vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
À Volta das Autarquicas...

O Vencedor
Todos sabemos que estas Eleições Autárquicas alteraram profundamente o panorama político nacional -demissão do primeiro-ministro- e regional -mudança de liderança na AMAL e possíveis eleições na RTA- , o que ninguém esperava, pelo menos com esta avassaladora dimensão.

Os resultados são claros e dão a maioria das câmaras municipais para o PSD (9), enquanto o PS se ficou pelas 7. Importante, também, foi a vitória em Faro para o PSD, através de uma aposta de alto risco, mas que saiu vitoriosa. Contra a própria concelhia de Faro do PSD, a Comissão Política Distrital fez esta aposta, que lhe traria amargos de boca em caso de insucesso, que se mostrou certeira. É o regresso do Dr. José Vitorino à ribalta da vida política.
Realce para a vitória do PS em Lagos, a derrota do Prof. Vairinhos em Vila do Bispo (que viu a sua carreira política a não ser relançada) e as surpresas "laranja" em Albufeira e Loulé. E assim, o Parque das Cidades (Estádio para o EURO 2004) passou direitinho para os autarcas Social-Democratas...

Aguarda-se, agora, o nome do novo Presidente da AMAL (Eng. Macário, em princípio) e os desenvolvimentos na RTA, Parque das Cidades, na Ambifaro (agência de desenvolvimento local detida maioritariamente pela CM Faro), SAD Farense (a Ambifaro é desde há umas semanas o principal accionista, sendo o Eng. David Santos -Presidente da Concelhia do PSD/Faro- o actual presidente da SAD, o mesmo que não apoiou a candidatura do Dr. Vitorino à CM Faro). Uma coisa é certa, nada ficará como antes.... E ainda não vieram as, previsíveis, legislativas antecipadas....

Sondagens
O Expresso do dia 14.12, saído habilmente no Sábado com a data de Sexta, devido ao dia de reflexão, foi o cúmulo da utilização abusiva e enganosa de sondagens. Falhou quase todas as previsões. Não foram apressentadas as fichas técnicas das várias dezenas de sondagens apresentadas. E não prestou um bom serviço à democracia.
Em Lisboa o PS ganharia com 10% de vantagem e venceria também no Porto e em Sintra. Em termos de Algarve, em 7 previsões acertaram três! Falharam em Vila do Bispo, S. Brás de Alportel, Faro e Vila Real. Estas sondagens que aparecem nas bancas no dia de reflexão e véspera das eleições, são potencialmente desestabilizadoras do eleitorado, podendo criar estados de espírito de que o seu candidato já ganhou/perdeu, pelo que não vale a pena sequer ir às urnas. Quem vê uma sondagem de uma entidade credenciada, que sai na véspera das eleições (dia de reflexão), analisa os dados como se fossem reais, pois já não há tempo para inversão de tendências. Aqueles dados, saídos 24 horas antes das eleições, transformam-se em eleições pré-determinadas, onde o voto do cidadão pouco conta, para já não falar de possíveis manobras eleitorais, sempre possíveis de acontecer. Veja-se como José António Saraiva, director do Expresso, afirmou que João Soares deveria continuar a ser Presidente. Como falhou! Aliás, pela própria noite televisiva eleitoral, e pelas semanas anteriores, se pode ver que existem sondagens para todos os gostos e apetites....

Mas, o voto pertence a cada cidadão. É só dele. Pode fazer com ele o que quiser. Pode castigar, mas também pode premiar. E, mais uma vez, o povo mostrou que sabia o que queria e que os votos é que contam, não as sondagens. Foram às urnas e pintaram os concelhos das cores que quiseram. Não das cores que os outros tinham previsto(???)!

Mais Competências!
Estas eleições trouxeram duas novidades: candidatos melhor preparados, com os dossiês bem estudados, e o alargamento das competências das Câmaras Municipais.

Se a primeira novidade se explica por si própria, a segunda convém aprofundar. Nos vários debates a que assisti e na documentação que tive a oportunidade de analisar, destaca-se o facto de os candidatos apresentarem propostas para áreas que não são, jurídica ou costumeiramente, da sua competência. Ou seja, a lei não lhes confere o direito para intervirem directamente nestas áreas ou não é hábito fazê-lo, mas eles pretendem utilizar o seu poder e influência de autarcas para reivindicar ou o alargamento de competências para que eles possam fazer ou que outros façam o que consideram necessário. Em áreas como a saúde (combater a falta de médicos de família, por exemplo), os transportes ferroviários inter-municipais, a segurança (indo para além da polícia municipal), o estímulo à actividade económica, o espírito empreendedor, a inserção profissional de recém-licenciados, a ligação à Universidade, a criação de lares/centros de dia para a terceira idade e o apoio monetário aos idosos mais carenciados, este fenómeno tem-se vindo a verificar. Aliás, a forte preocupação com as questões sociais, da esquerda à direita, foi um acontecimento bastante positivo.
Um presidente de câmara empreendedor e que saiba claramente onde quer chegar no fim do seu mandato, sente falta de "tocar alguns instrumentos". Emitir licenças, gerir transportes escolares e conservar estradas e caminhos são actividades importantes, nobres, mas, em conjunto com as restantes competências do executivo municipal, não tocam em muitas áreas importantes para o bem-estar dos seus cidadãos. É como se o concelho fosse uma orquestra e o executivo municipal apenas pudesse tocar piano... A concertar brevemente...

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 26.12.2001

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros