vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
Dignificar o Trabalho!

A ambição dos pais, relativamente ao futuro dos seus filhos, prende-se com o curso universitário (necessário para o filho ser Doutor ou Engenheiro) e depois uma profissão de "colarinho branco", que envolva o mínimo de esforço físico e, provavelmente, sentado a uma secretária. Se o filho não puder tirar o curso, ao menos que tenha a secretária!

Os filhos, rodeados por uma cultura de facilitismo e de preconceitos, aspiram a uma profissão "limpa", sendo para tal necessário alcançar o desejado "canudo". O "canudo" é visto como o meio para ultrapassar dificuldades e um trampolim para fugir às profissões menos dignas???. O mercado de trabalho suspira por electricistas, carpinteiros, pedreiros, calceteiros, serralheiros, cortadores de carnes, empregados de mesa, etc. Dificilmente as empresas os obtém, nomeadamente profissionais melhor qualificados. A recente entrada de emigrantes veio alterar um pouco a situação, mormente no que concerne a profissionais menos qualificados ou qualificados noutras áreas que não a que exercem no nosso pais, logo não qualificados para a função que exercem.

A oferta formativa para estas profissões existe e só não existe em maior quantidade porque conseguir formandos devidamente motivados para estás áreas é uma tarefa complicadíssima.

A generalidade dos profissionais que exercem as profissões atrás referenciadas auferem vencimentos bastante generosos, superiores muitas vezes aos de licenciados. Lembra-se quanto pagou da última vez que um canalizador ou pedreiro foi à sua casa?

Resumindo e baralhando, em relação a estas profissões temos:
· Grande procura de mão-de-obra;
· Oferta formativa para os indivíduos;
· Remunerações bastante compensadoras;
· Preconceito social fortíssimo contra estas profissões.

Posto este cenário, há algo que não bate certo e que destoa do conjunto. Acertou! É o preconceito.
Parece ser mais nobre ser um licenciado desempregado do que um carpinteiro que exerça a sua profissão. Será mais motivante receber 80 cts. para estar 8 horas por dia numa secretária ou numa caixa de supermercado, ou receber 200 cts. se for um bom serralheiro ou pasteleiro?

Acrescente-se que estas profissões, ditas "sujas", hoje em dia o são cada vez menos. Os cortadores de carnes trabalham bem vestidos e equipados e não chegam a casa cheios de sangue! Os carpinteiros utilizam protecções e não chegam a casa cheios de serradura!

Se a situação permanecer assim, se não houver mudança de mentalidades e de atitudes, corremos o sério risco de, em poucos anos, pagarmos mais pelo conserto de uma torneira do que por uma consulta médica. Ser mais cara a reparação da instalação eléctrica do que a elaboração de um projecto de investimento. Entretanto, pagamos subsídios a professores licenciados no desemprego e outros vindos de áreas de formação que o mercado de trabalho não precisa...

Mas aí será tarde!
A altura de intervir é agora!
Até em termos económicos este preconceito é prejudicial!
Caros Professores: aproveitem o vosso tempo de antena para incutir a nobreza do trabalho nos jovens e a necessidade do esforço para se ser alguém na vida.

Caras Famílias: deixem-se de preconceitos e incutam nos vossos jovens que a nobreza está nas pessoas, mais do que nas profissões.

Cara Comunicação Social: divulguem mais exemplos de jovens de sucesso oriundos destas profissões mais marginalizadas socialmente.

Porque o sabão e os seus parceiros servem para limpar o que se sujou na labuta do trabalho. Mas, o indivíduo sujo, esse, coitado! Não há sabão que o limpe!

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 29.10.2001

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros