vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
Ilha de Faro: Quem Assume as Responsabilidades em Caso de Catástrofe?

Ao longo do mês de Setembro ocorreram duas peças jornalísticas na SIC, relativas à Ilha de Faro, que me deixaram preocupado.

No dia 8 de Setembro, o Prof. Alveirinho Dias - docente da Univ. Algarve - alertou para o facto de, perante um grande temporal, se poder assistir a uma situação catastrófica na Ilha de Faro. E enquanto a situação é igualmente perigosa em Vale do Lobo, nesta zona de arribas, haverá tempo para pôr pessoas e bens em segurança perante o avanço das águas. Na Ilha de Faro, não! Tudo poderá acontecer de repente e sem tempo de resposta para os habitantes.

No dia 18 de Setembro, foi noticiada uma maré-viva na Ilha de Faro, onde as águas do oceano e da ria formosa se encontraram.... na estrada! Habitantes locais não se lembram de terem visto situação semelhante em Setembro, o que demonstra que algo estranho poderá estar a acontecer. As causas desta situação parecem ser múltiplas, desde os molhos de Vilamoura/Quarteira, até à ponte para a Ilha e passando pela construção criminosa, alguma dela com diversos pisos!, espalhada por toda a Ilha. Citando o Prof. Alveirinho Dias (Público, 17.06.2001), "... as causas naturais têm contribuído apenas em 15 por cento para o recuo da linha de costa. Os restantes 85 por cento devem-se a causas induzidas pelo homem...".

Os interesses instalados são fortíssimos. Grandes faixas da sociedade Farense têm interesses na Ilha de Faro, uns devido às moradias que lá dispõem e os outros devido ao Parque de Campismo (leia-se "Santa Casa da Misericórdia para uns quantos") que ocupam todo o ano, mas só desfrutam no Verão.

A juntar a tudo isto, existem diversas entidades com jurisdição na Praia de Faro, salvo erro, a Capitania, a Câmara de Faro e o Parque Natural da Ria Formosa.

Ou seja, a culpa da situação é do homem, os interesses - legítimos, diga-se - são poderosos, a jurisdição é múltipla e a vontade política parece ser escassa.

Se a decisão fosse destruir todas as casas e fazer da Ilha de Faro algo de semelhante à de Tavira, haveria certamente que suportar custos financeiros elevadissímos com as indeminizações, mas haveria certamente várias vantagens para o comum cidadão e em termos ambientais.

Entretanto, parece que ninguém se preocupa.... Enquanto isso, a erosão costeira avança, impiedosa e implacável...

A questão fica colocada nesta página: "Quem se responsabiliza em caso de catástrofe?"

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 01.10.2001

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros