vialgarve                   
alternativa                              João Nuno Neves
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNNN
Referendar...até vencer!

Nos últimos anos começámos a ouvir falar de referendos. Passámos depois a discutir se devíamos fazer referendos. Acabámos a fazer dois referendos e a deixar um pelo caminho.

Com o último referendo realizado na Irlanda, mais o que se deu no início dos anos 90 na Dinamarca e com os dois referendos Portugueses pode-se tirar uma deprimente conclusão: há que referendar até vencer!

Na Dinamarca o povo, legitimamente votou contra a integração na, então, CEE. Meses depois novo referendo e o povo, finalmente, - Ufa! Que alívio! - votou sim à adesão na CEE.

Na Irlanda a população recusou o Tratado de Nice e o governo já afirmou que daqui a uns meses fará um novo referendo.

Em Portugal a IVG (Interrupção Voluntária da Gravidez) perdeu nas urnas e já se fala em voltar a colocar o assunto em discussão pública.

No mesmo cantinho da Europa à beira-mar plantado, o Presidente da República já começou a retomar o tema da Regionalização, primeiro algo envergonhadamente e depois a plenos pulmões. Segundo o nosso PR, o que foi derrotado nas urnas foi um mapa, nada mais!

Não interessa, por agora, abordar o que foi feito em Portugal para minorar o problema da IVG e o da não descentralização.

Importa analisar o valor que se dá ao voto livre e democrático dos cidadãos: nenhum! Em qualquer dos 4 casos apresentados a população pronunciou-se numa determinada forma, das várias possíveis: voto nulo/branco, abstenção, sim ou não. Assim sendo, pergunta-se: o "não" vale menos do que o "sim"? Terá menos dignidade? Será o voto errado? É politicamente incorrecto? Não convém?

Nos exemplos do estrangeiro, o 2º referendo parece ser a arma a utilizar. Em Portugal não deverá ser porque se esperam resultados idênticos aos do 1º. Deverão tentar arranjar outras formas mais nebulosas para chegarem onde o povo não quis que chegassem...

Com este panorama, como é que se pretende credibilizar a política e os políticos, se o que é referendado logo é esquecido? O vulgar cidadão há de se questionar: "Para que querem aqueles tipos o meu voto se eles não o respeitam!" ou "Porque é que andam a gastar milhares de contos para ouvirem o Povo, se depois decidem tudo nos gabinetes?". Se o "sim" tivesse ganho estariam agora interessados em voltar a debater o assunto? Em realizar novos referendos?

Para além de demonstrar um mau perder e uma falta de respeito por quem vota em referendos, ficamos todos a saber que há que referendar..... até vencer!

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Notícias do Algarve 20.08.2001

Notícias do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros