logo ALTERNATIVA por Ricardo Baptista

Fui ao Avante!

Por estranho que possa parecer fui ao Avante, a grande festa do PCP! Juntamente com um grupo de amigos, dos quais apenas um é comunista (daqueles ortodoxos valentes!) e os outros todos de outras esquerdas. Aliás, grande parte dos visitantes não devem ser comunistas, senão a expressão eleitoral do PCP seria outra.

Fui pela segunda vez ao Avante - a outra tinha sido em 1990 - e posso-vos dizer que vale a pena, política à parte, é claro!

O PCP é o único partido que consegue, com base em mão-de-obra dos militantes, organizar um evento destes para centenas de milhares de pessoas, com gastronomia de todos os pontos do país e de alguns países estrangeiros, uma oferta cultural rica e variada (3 palcos com música e outro com teatro), enfim, uma boa festa.

Cada região e país convidado têm um espaço onde tem o seu restaurante e a venda de alguns produtos típicos. Posso-vos dizer que na Sexta-feira jantei muamba de galinha no MPLA (Angola), bebi caipirinha no PT brasileiro e tomei o pequeno-almoço de Sábado na Frelimo (Moçambique).

Os próprios participantes são muito diversificados, indo desde o velhote com a sua esposa que ostentam orgulhosamente o emblema do PCP, até malta nova de cabelo rapado e umas antenas de cabelo a saírem de três pontos da cabeça. Há de tudo e para todos os gostos.

Uma situação engraçada é que não nos deixam esquecer por um minuto que seja que estamos numa organização do PCP. Para qualquer lado que a pessoa se volte tem uma faixa contra o pacote laboral, a globalização, o governo de direita, por melhores salários, vamos cumprir Abril, etc. Em vários espaços há debates sobre os mais diversos assuntos, como sejam a globalização ou a reforma do sistema político. O problema é que não são debates, são comícios em que ninguém destoa, onde um diz mata e o outro esfola. Vozes discordantes não existem.
Digamos que é na festa que a famosa cassete comunista é reciclada anualmente, dando novos argumentos aos trabalhadores contra esses seres horríveis que dão pelo nome de patronato e contra o governo reaccionário de direita que atenta permanentemente contra os direitos e liberdades dos trabalhadores, contra as conquistas de Abril, dizem.

Cuba é o mito. Depois de terem perdido a referência da União Soviética, resta-lhes Cuba. Por todo o lado há peditórios para ajudar Cuba, quando há bem pouco tempo José Saramago e o próprio PCP criticaram o desrespeito pelos direitos humanos nesta ilha.

Refira-se a homenagem do Avante deste ano ao poeta José Carlos Ary dos Santos, autor de letras de várias canções e fados famosos. Logicamente, foram mais evidenciados os poemas de pendor mais revolucionário, sempre apelando aos sentimentos anti-patronato, pela reforma agrária, etc.

Gostei de ouvir. Porque era um excelente poeta e porque me fez transportar para o Portugal do pós 25 de Abril. Aliás, também gosto de Zeca Afonso, Sérgio Godinho e outros. Porque não tenho complexos e considero que o que escreveram e cantaram não é um património da esquerda, como alguma esquerda reivindica e maioria da direita aceita, mas um património de todos os que amam a democracia e não suportam viver sem liberdade.

Vou deixar para o fim uma das frases que estava em mais cartazes e que também é o fim do poema "As Portas Que Abril Abriu".

"Agora ninguém mais cerra as portas que Abril abriu!"

Será que o essencial das conquistas de Abril está em perigo? Para quê uma permanente viagem ao passado para irem buscar argumentos "de Abril" para justificar o que não gostam no Portugal de hoje, mas que foi sufragado nas urnas pela maioria?

João Nuno C. Arroja Neves
Economista
Jornal do Algarve 18.09.2003

 

Jornal do Algarve

Comentar este artigo           Imprimir Imprimir

Voltar à Página de João Nuno C. Arroja Neves