vialgarve                   
vialgarve                                Carlos Jorge Baía
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
Novas Oportunidades

Estamos próximos do final de mais um quadro comunitário de apoio, o terceiro, em que entraram largos milhões de euros no nosso país com o objectivo de o modernizar, tornando-o mais competitivo, acelerando o seu desenvolvimento e reforçando o seu crescimento económico, através da aposta em áreas como seja a qualificação dos recursos humanos.

Na minha opinião, e contra as vozes de alguns velhos do Restelo que consideram que grande parte daquelas verbas foram mal empregues, sem vantagens para o país, notam-se hoje efeitos dos elevados investimentos feitos nos últimos anos, naquela área.

É certo que de uma forma lenta e a um ritmo muito inferior ao que seria desejável, mas a qualificação dos nossos recursos humanos tem avançado.

Nos últimos meses, as exportações portuguesas têm aumentado e a sua natureza tem-se alterado, passando da produção de indústrias de mão-de-obra intensiva, como a têxtil ou de calçado, que predominaram durante décadas, para a de maquinaria e equipamentos.

Pessoalmente, acredito que esta alteração só foi possível porque afinal o país tem mão-de-obra qualificada para tal, e que essa qualificação aconteceu em parte pelo investimento feito na formação profissional.

Mas, esta é uma batalha que não tem fim e por isso aqueles que continuam à margem deste processo de reforço de qualificações, têm que ser alvo de esforços e atenções redobradas. Recorde-se que cerca de 70% da população activa portuguesa ainda tem habilitações escolares apenas até ao 9º ano.

Actualmente existe um manancial de programas vocacionados para combater aquele cenário e que mais não são do que novas oportunidades que permitirão àqueles que por qualquer motivo, a dada altura da sua vida, não puderam investir na sua qualificação, apostar agora na mesma.

Casos disso são a formação profissional de dupla certificação, escolar e profissional, dirigida a jovens e adultos, bem como os processos de reconhecimento de competências, escolares e profissionais, que visam certificar competências adquiridas por vias informais e não formais.

Aquelas medidas e o reforço da oferta formativa de carácter profissionalizante nas escolas, são respostas para os elevados níveis de insucesso e abandono escolar do país.

A disponibilização destas valências encerram um importante desafio para os jovens e adultos que devem assumir uma postura pró-activa na procura e utilização daqueles instrumentos, colocados à sua disposição.

São novas oportunidades que todos podem e devem agarrar, procurando a formação profissional, os processos de reconhecimento de competências e todos os instrumentos disponíveis para elevar a sua qualificação. Se cada um por si tomar essa iniciativa, todos juntos podemos fazer a diferença.

Carlos Jorge Baia
Gestor de Empresas
Jornal do Algarve 03.08.2006

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Pedro Gonçalves Miguel Antunes António Ramos Marco Rodrigues Alexandre Costa Outros