vialgarve                   
vialgarve                                Carlos Jorge Baía
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
Os monopólios ou a qualidade dos serviços

Diz o dicionário que lóbi é um grupo de pressão.

No dia a dia vamos ouvindo falar de vários tipos de lóbis: da construção civil, dos médicos, dos juízes, só para mencionar alguns exemplos.

Embora não exista uma face visível destas estruturas, nem seja assumida a sua existência, "que las hay, las hay...".

A existência destes grupos tem por objectivo pressionar outros grupos ou mesmo a própria sociedade, no sentido de obter determinado tipo de favorecimento em proveito próprio.

O lóbi que mais recentemente veio a público em defesa dos seus interesses, no caso em defesa do monopólio de venda de medicamentos, foi o dos farmacêuticos. E isto em resposta à intenção declarada pelo Primeiro-Ministro de liberalizar a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica.

Os farmacêuticos alegam que a venda de medicamentos fora de um local controlado, como são as farmácias, trará perigos para a saúde pública. Contrapõem os médicos que tal não é bem assim e que a liberalização dos locais de venda de certo medicamentos em locais como os hipermercados não trará quaisquer consequências negativas. A não ser para os bolsos do referido sector, digo eu.

A saída a público dos farmacêuticos em defesa dos muitos milhões de euros que vale este mercado é facilmente perceptível. Porque haverão de partilhar todos aqueles milhões com os doentes e com o Estado, se os podem conservar só para si?

Pessoalmente considero ajustada a medida proposta, não só pelo aspecto financeiro associado, mas também pela comodidade de poder adquirir determinados artigos, sem qualquer preocupação com a hora de funcionamento ou em saber qual a farmácia de serviço.

Curioso é no entanto o facto de, na farmácia a que habitualmente recorro e com a mesma farmacêutica que sempre me atendeu, recentemente, ao adquirir determinado medicamento de venda livre, ter sido questionado sobre se o mesmo seria para mim, tendo em seguida sido informado que o mesmo deveria ser tomado em determinada dose e num certo número de vezes por dia, coisa que nunca tinha acontecido antes.

Este caso, que não será certamente único, só demonstra a importância da concorrência nos mercados, não só no que respeita à determinação do preço, que em regra se torna mais baixo, como também na qualidade do serviço.

Não sei se a proposta apresentada pelo Primeiro-Ministro será efectivamente regulamentada, mas para mim já valeu a intenção, só pela preocupação que a farmacêutica passou a ter com a minha saúde…

Carlos Jorge Baia
Gestor de Empresas
Jornal do Algarve 31.03.2005

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros