vialgarve                   
vialgarve                                Carlos Jorge Baía
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
O estado da Administração pública

Não se sabe ao certo quantos são os funcionários da administração pública existentes em Portugal. Estima-se que o seu número se situe entre os 700 e os 800 mil, incluindo-se aqui todos os trabalhadores da administração central, regional e local.

Aquele "batalhão" de servidores do Estado, faz gastar ao Estado elevados recursos financeiros, gastos esses que se situam acima da média europeia. E é por esse motivo que tem estado tantas vezes, com particular incidência nos últimos anos, "na boca do mundo". Pense-se nas inúmeras críticas que são feitas de forma indistinta, sempre que se fala de funcionários públicos pelo simples facto de desempenharem esta função, que é tão nobre como qualquer outra, pense-se no congelamento de salários em vigor desde há 2 anos, ou pense-se no congelamento de admissões para a administração pública.

Estes exemplos são o caso típico do "pagar o justo pelo pecador", com os riscos inerentes, não só de injustiça, como também de diminuição da eficácia do próprio sistema.

Quanto à crítica geralmente aplicada a todos os funcionários públicos, que são "calões" e nada fazem, considero extremamente injusta. Basta olhar para o esforço que os diversos serviços têm desenvolvido ao longo dos últimos anos no sentido de melhorarem o serviço prestado.

Como em todas as áreas e profissões, existem melhores e piores profissionais, o que se reflete naquele serviço, no entanto, um mau trabalhador não é necessariamente representativo de um serviço. Neste aspecto, uma palavra para a segurança decorrente da legislação e dos "bons costumes" em vigor, que praticamente inviabilizam o despedimento de pessoal na Administração Pública. O funcionário público, não deve ser diferente do privado nesse aspecto. Não é possível que cada organismo possua nos seus quadros "pesos mortos" sem vontade de trabalhar, mas que gostam de receber a sua remuneração mensal. Uma referência aqui também para as baixas médicas que, muitas vezes, não correspondem ao estado de saúde real do trabalhador, cabendo neste caso a responsabilidade ao médico que a emite e não o deveria fazer.

Uma outra palavra, para aqueles trabalhadores, que se recusam ou não conseguem acompanhar a evolução tecnológica, servindo-se disso como argumento para apresentarem um pior desempenho, pese embora, em muitos casos, se encontrem no topo de carreira, auferindo de chorudas remunerações. A antiguidade já não é hoje, face à rápida evolução tecnológica, um garante de melhor desempenho, sendo antes garante da situação contrária, caso os trabalhadores não se actualizem e esforçem. Fará sentido perante este cenário manter práticas de progressão automática nas carreiras? Creio que não. O sector privado não actua desta forma e apresenta índices de produtividade superiores ao público...

E ao referir este aspecto, não é possível deixar de falar no congelamento de salários que ao atingir a maioria dos funcionários públicos nos últimos 2 anos, penaliza também aqueles que mais se esforçam, originando desmotivação e por consequência um pior desempenho.

Por fim, no que respeita ao congelamento de admissões, verifica-se que algumas entidades continuam a lançar concursos de admissão de pessoal, publicados em Diário da República, situação que está vedada a outros organismos. Não poderá este ser um prémio à ineficácia daquelas estruturas? Sendo certo que o papel interventor do Estado na economia nunca acaba e deve estar em constante mudança, criando e extinguindo serviços prestados à comunidade, de acordo com a evolução e necessidades desta, certamente os organismos de menor dimensão serão mais penalizados por aquela medida, ao disporem de uma menor flexibilidade na gestão de recursos humanos. A consequência será certamente um pior serviço prestado.

Existem serviços, como os hospitais que necessitam de pessoal especializado em várias áreas não se podendo dar ao luxo de não o possuirem, e como este, muitos outros exemplos poderiam ser referidos

Li algures que, em 2005, estará novamente vedada a entrada de funcionários para a Administração Pública. Estarão todas as entidades incluídas ou continuarão a existir excepções? Será levada por diante a dispensa e mobilidade de funcionários já anunciada pelo Governo? Irá uma eventual autorização de contratação de trabalhadores basear-se em critérios de eficácia e de funções atribuídas? Irá a Administração Pública implementar Sistemas de Informação modernos e desburocratizar-se?

Caso a resposta àquelas questões seja afirmativa então seguramente não será necessário recorrer à admissão de novos trabalhadores, com excepção de algumas situações destinadas a assegurar funções muito específicas, pois os meios que, neste caso, são as pessoas, já existem, encontrando-se apenas mal distribuídos.

Caso contrário, corremos o risco de que muitos organismos públicos deixem de dispor dos meios necessário para a prestação de um bom serviço aos cidadãos.

Carlos Jorge Baia
Gestor de Empresas
Jornal do Algarve 30.09.2004

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros