vialgarve                   
vialgarve                                Carlos Jorge Baía
Navigation Map
e-mail vialgarve

webmaster JNN
Ano novo, fogos velhos

Mais um Verão, e mais uma vaga de incêndios a assolar o nosso país.

Em Portugal as florestas representam um grande valor económico e social, contribuindo para a sustentabilidade económica de muitas regiões. Um terço do nosso território está ocupado pela floresta estando outro terço ocupado por mato.

Só no ano passado, o pior de sempre em matéria de incêndios, arderam 400 mil hectares de floresta, 2/3 dos quais correspondiam a área plantada, correspondendo a restante a mato.

Refira-se também que parte daquela área, cerca de 11%, situou-se no distrito de Faro.

Este ano, e de acordo com o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, até ao dia 18 de Julho já tinham ardido cerca de 26 mil hectares. Em 2003, e em igual período, arderam 21 mil.

Estes incêndios espalham-se por todo o país, e, no caso do Algarve, muitos concelhos já foram atingidos por este flagelo: Faro, Tavira, Castro Marim, Monchique, Loulé, Silves e Alcoutim.

A título de curiosidade refira-se que o interior do Barlavento algarvio é considerada um zona de risco alto, sendo o Algarve central e sotavento consideradas zonas de muito baixo risco, no que toca a incêndios.

Quanto às culpas ou causas, é sabido são muito variadas, e que vão do descuido ou negligência, a fenómenos naturais ou mesmo a fogo posto. Neste ultimo caso as razões prendem-se inevitavelmente com interesses imobiliários ou económicos ligados à área da celulose, à caça ou simplesmente à loucura de quem ateia o fogo.

Mas, se é inevitável que os incêndios aconteçam, seja por que causa for, já não será inevitável que se criem ou reforcem mecanismos de prevenção, fiscalização e punição daquelas situações.

No âmbito da prevenção, o êxodo rural associado à falta de um plano de ordenamento florestal, à pequena dimensão das propriedades e à atitude de muitos proprietários levou a que o mato, grande inimigo dos bombeiros em caso de incêndio, tomasse conta de muitos campos, pelo que importava definir planos de florestação e intervenção.

No âmbito da fiscalização, deveriam ser alargar experiências bem sucedidas ao nível de vigilância por meios humanos ou sistemas de vídeo. Aqui e ali vão sendo divulgadas boas experiências que permanecem restritas às zonas piloto não sendo difundidas ao resto do país.

Uma maior utilização de militares, de desempregados que recebam o subsídio de desemprego ou a contratação de equipas especializadas para vigilância de matas e florestas também poderia seguramente evitar muitos incêndios.

Certamente que todas as soluções de fiscalização, que inevitavelmente apresentam custos, sairiam mais baratas que os prejuízos resultantes dos incêndios.

Por fim a punição exemplar, e divulgação da mesma nos meios de comunicação social, daqueles que são identificados como responsáveis pelos fogos postos teria certamente um efeito dissuasor.

Depois de tudo e se mesmo assim não se conseguirem evitar os incêndios, torna-se necessária uma intervenção rápida sobre o terreno ardido, por forma a evitar a erosão do mesmo.

Há pois ainda um longo caminho a percorrer no combate aos incêndios, para evitar a tragédia que todos os anos atinge a nossa floresta.

Uma última palavra para todos aqueles que desprovidos de qualquer civismo continuam a deitar beatas acesas para o chão em zonas de matas, dando muitas vezes origem, de forma estúpida, a incêndios. Pensem duas vezes antes de o fazer, e não o façam!!!

Carlos Jorge Baia
Gestor de Empresas
Jornal do Algarve 05.08.2004

Jornal do Algarve

Comente este artigo

Comentários por HaloScan.com
Tiago Torégão João Nuno Neves Pedro Miguel Ortet Jorge Lami Leal Jorge Moedas Carlos Baía Lara Ferreira Hugo Leonardo Nuno Silva Alexandra Paradinha Paula Rios Pedro Gonçalves Miguel Antunes José Leiria André Botelheiro André Ramos António Ramos Marco Rodrigues Outros