logo ALTERNATIVA por Ricardo Baptista

A importância da auto-estima dos povos para a economia

É habitual Portugal surgir mal classificado nas mais diversas estatísticas publicadas a nível europeu, ou mesmo mundial.
Esta tendência é comum às mais variadas áreas que possamos pensar: economia, educação, saúde, segurança rodoviária, entre outras, e traduz-se em indicadores como taxa de desemprego elevada, taxa de inflação elevada, baixo grau de escolaridade, longas listas de espera nos hospitais ou altas taxas de sinistralidade nas estradas.

O relembrar constante desta realidade, provoca desânimo no mais forte dos espíritos.

Recentemente, com o agravar da situação económica internacional o estado de alguns indicadores tem-se vindo a agravar, arrastando, dizem, Portugal para o último lugar da União Europeia no que toca ao grau de desenvolvimento.
Esta situação apresenta duas vertentes: uma estrutural, e que se prende com o comportamento despesista do Estado ao longo dos últimos anos, e outra conjuntural que não sendo agradável nem desejável é natural visto Portugal ser uma pequena economia fortemente aberta ao exterior e logo bastante exposta à evolução e variação da economia internacional.

E se em relação à segunda vertente nada podemos fazer a não ser esperar por melhores dias nas economias mais fortes a nível internacional, e já agora por uma guerra rápida, em relação à primeira há certamente medidas a tomar.

E neste aspecto é preciso lembrar que a economia apenas crescerá baseada num aumento de investimento, e este só aparecerá se houver consumo para escoar os produtos resultantes desse investimento. Quem consome será o Estado ou as famílias, sabendo-se que o Estado não dispõe neste momento de meios financeiros para tal neste momento, restando por isso as famílias.

No entanto, é preciso ter presente que as famílias apenas consumirão se sentirem segurança para tal, isto é, dificilmente alguém aumentará os seus gastos se não tiver perspectivas de aumentar os seus rendimentos.
E neste campo entra a auto-estima dos indivíduos. O grau de auto-estima de um povo interfere com as suas decisões e interpretação dos indicadores que lhe são apresentados. E, convenhamos que face às estatísticas que constantemente nos surgem não temos certamente motivos para apresentar altos índices de auto-estima, logo com consequências negativas ao nível do consumo.

Uma evolução positiva da economia passa pois, também, pelo elevar do grau de confiança dos indivíduos e dos povos, que deste modo reagirão de forma mais favorável às adversidades que atravessam, o que pode contribuir para minorar as consequências económicas das crises ou, levá-los a superá-las mais rapidamente.

Talvez por tudo aquilo, o povo português tem tendência para se considerar e considerar o seu país inferior a muitos outros. No entanto, uma visita a um país diferente como a Espanha, permite-nos constatar que muitos dos problemas que cá sentimos e discutimos diariamente, lá também se verificam: más estadas, televisão pública com programas de qualidade duvidosa, manifestações por melhores pensões de reforma, entre muito outros exemplo que se poderiam apontar. Isto para dizer que, o que de mau e de bom existe cá dentro também existe lá fora.

O que é preciso, é abandonar a atitude de baixar os braços como reacção à "fatalidade" de seremos os eternos últimos e actuarmos de forma activa para alterar esta situação pois só assim os indicadores se poderão alterar.
Carlos Jorge Baia
Gestor de Empresas
Jornal do Algarve 03.04.2003

 

Jornal do Algarve

Comentar este artigo           Imprimir Imprimir

Voltar à Página de Carlos Jorge Baia